quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

para você se amar

"Olhos de ressaca? Vá, de ressaca. É o que me dá idéia daquela feição nova. Traziam não sei que fluido misterioso e enérgico, uma força que arrastava para dentro, como a vaga que se retira da praia, nos dias de ressaca. Para não ser arrastado, agarrei-me às outras partes vizinhas, às orelhas, aos braços, aos cabelos espalhados pelos ombros, mas tão depressa buscava as pupilas, a onda que saía delas vinha crescendo, cava e escura, ameaçando envolver-me, puxar-me e tragar-me."


Carta
Querida, aceite meus versos, aceite minha palavras, escritas, ditas, sentidas, ouvidas.Querida, sorria enquanto "me lê", querida diga que me ama bem baixinho e depois me xingue, porque eu mereço.Querida, me deixe chegar em casa hoje e deitar ao seu lado, depois acorde bem cedo e me mande para pqp, porque eu mereço.Querida leia minhas palavras patéticas, minha palavras que te traíram, querida foi sem querer, eu te queria.Querida me aceite assim sem conteudo, sem nada palpavel, sem nenhuma promessa concreta.Porque depois que eu decidi te amar , me tornei patético,me tornei igual a qualquer homem: ridiculo.Me faz ser patético assim como o próprio amor já.
Ela parece a Capitu do Machado, tem os olhos lindos, mas não da ressaca do mar, da ressaca de cocaína, aquela que a faz tragar cigarros e se embriagar de vodca.Ah! Meu deus! Onde eu vim parar.Me apaixonei por uma junkey qualquer.Eu não aguento o perfeito estilo, as curvas nem tão perfeitas.O gosto de marlboro me mata e me traga.Luxuria.Até que parte eu confundo amor com desejo, desejo sexual?
Perdoe querida eu não resisti aquele olhar, eu não consegui  me agarrar só em você e não achei partes vizinhas, só uma parte, só uma coisa.Só o corpo dela.
Eu não te mereço, mas te quero.


Versos patéticos


Querida, aceite meus versos patéticos
que não possuem uma forma definida
muito menos um conteúdo palpável
pois amar você tanto assim
me faz ser patético
assim como
o próprio
amor

é

1 dizeres:

Marcel PH disse...

HAHAHA "Me apaixonei por uma junkey qualquer" adorei

esse poema foi o melhor que tu já fez.

e tu já tem meu msn, acho que tu se esqueceu, sei lá. marcelprestes@msn.com