domingo, 25 de setembro de 2016

mar de setembro

Há quem nade no raso, onde é possível firmar os pés, mesmo que na areia movimentada
os que vivem com água na canela
os que vivem com água no joelho
os que vivem com água na cintura
os que vivem com água no pescoço
daquele jeito que precisa levantar o rosto para respirar.


E tem a gente, minoria, que aprendeu a nadar antes de ter firmeza e vive o fundo nadando contra todas as marés só para ser quem é.

segunda-feira, 5 de setembro de 2016

Dia dos irmãos

Eu já nasci sabendo dividir.
Dividindo espaço, colo, carinho, quarto, bronca, tarefa não que nossos pais nunca cobraram isso da gente.
Minha família é grande já fomos em cinco nessa casa.
Desde que eu me entendo por gente, lembro dos meus irmãos. (Tenho plena convicção que eles me ajudaram a me entender por gente). Caçula, que eu era, tinha dois irmãos mais velhos com quase a mesma idade. Todos filhos de mãe canceriana e pai leonino, um equilíbrio que nos ajudou a saber explodir e refletir sobre isso depois.
Lembro dos meus irmãos vivendo tudo que eu achava que tinha que viver até perceber que meu caminho era só meu.
Lembro de tentar seguir minha irmã e tomar "cascudos" por isso, lembro de usar as coisas do meu irmão e de pedir para ele passar as fases no video game.
Lembro de mais coisas, como várias configurações de quarto, de brigas por quem ficava com o controle da TV ou de quem era a vez no computador, abraços, discussões, brigas, declarações e aceitação. Irmão a gente aceita e ama, mas enche o saco também né?
Aos 16, meu pai, que já tinha se mudado, me informou que eu teria uma irmã, não foi fácil. Nós temos esse reflexo de recusar aquilo que não entendemos direito. Mas passou quando a Bibi veio em um hospital da Avenida Paulista, chegou linda chorando forte. Me emociono só de lembrar, junto com ela nascia uma outra irmã mais velha: eu. Esse sentimento de amar tanto que quer proteger é o mais bonito que eu conheço.
Todos os dias quando eu chego em casa eu sinto falta dos meus irmãos das nossas conversas, das piadas, de implicar e fingir que não ligo. Mas eu ligo sim.
Meus irmãos tem filhas. Lindas. Amáveis. Eu sou titia e o amor duplicou.
Obrigada por me aceitar, por carregar o mesmo sobrenome e a mesma bagagem familiar que eu.
Eu amo muito vocês, ainda bem que o dia do irmão não é todo dia porque quem aguenta né? haha Mas feliz dia do irmão.



segunda-feira, 29 de agosto de 2016

29.08.2016 visibilidade lésbica

Deram, finalmente, a vez dela de falar, depois de meses com a mão estendida eles lhe deram a vez.
Não ouvi as panelas, nem os gritos covardes de "puta" a luz não piscou e a televisão, essa nem noticiou.
O discurso foi bonito. Sabe quando a gente perde e tira uma lição das coisas? É mais que isso.
Não foi a primeira nem a última vez que a gente perdeu a democracia.
Nesse dia triste eu, que já sinto fisicamente o peso da vida nos ombros, aproveito para sorrir enquanto as lágrimas cismam em cair, quem sabe assim eu entendo com sentimentos como funciona um arco-íris.

terça-feira, 2 de agosto de 2016

Agosto.

Vivo agosto a contragosto
com ajuda do capuz escondo meu rosto
é tudo tão doloroso quando a gente sai de casa.
Nem preciso sair. Nem quero.
É só usar o facebook, ou passar vinte minutos das manhãs vendo snaps. Pronto, já sei que não quero ir, não quero sair.
Meu quarto é uma passagem secreta para tudo que vive dentro de mim.
Eu tentei pintar por cima, mas ainda lembro do seu sorriso deitada na metade do meu travesseiro me olhando enquanto eu reclamava que você dormia demais.
E todas essas noites que me falta sono eu lembro que gosto de sonhar com o "pra sempre"
Até que hoje, meio adulta, eu descobri que tem pra sempre que dura segundos, tipo os sorrisos que a gente recebe de quem a gente ama.

quinta-feira, 14 de julho de 2016

Com você eu sabia amar a vida, escondido.

Sei lá o que eu tenho pra dizer das paixões que eu largo por aí.
Meus amigos estão sempre comigo mesmo que algumas vezes nossas mãos não se alcancem.
A gente concorda que a vida é uma merda e gargalhamos juntos de algum meme idiota.
Até o discordar vira piada, todos os apelidos e piadas internas que a gente externa. O abraço que se alcança mesmo de longe. O pessimismo compartilhado e o irritante otimismo de alguns.
Nosso amor acanhado, mas presente. A vida coloca todo mundo que precisa colocar para a gente no caminho. Mesmo que alguns se vão. E, olha só, alguns vão mesmo. Mesmo que tenha ido morar longe ou que esqueça de te responder com frequência. Amigo não pergunta "tudo bem?" pergunta "como você tá?"
Amigo relaciona suas atitudes ao seu signo o tempo todo e te xinga. Amigo tem passe-livre para os melhores e piores momentos da vida.
Cantar alto na janela do carro, comer brigadeiro de colher, beber do mesmo copo, pedir um pedaço, falar sobre outras pessoas, mostrar uma foto, fazer umas fotos, deitar no colo, pedir cafuné, dar um tapa na testa e rir quando a gente cai, mas só depois que ajuda a levantar.  
Enquanto a maioria passa, quem tem que ficar, fica ou volta.
Amigo é aquela pessoa que você já segurou os cabelos, já viu beijar na boca, já viu quase morrer de chorar ou doer a barriga de rir.
Até descobrir, quando seu amigo estiver fazendo algo que ele sempre faz, que trata-se de amor.
Amor puro, livre que carrega e cabe muita coisa.

Receita

congelei minha idade
deve ser por isso que o segurança
pediu minha identidade.

esqueci o dia e fiquei no forno, assei.
deixa assar.

e passar.

amanhã eu passo seu café.

terça-feira, 12 de julho de 2016

Eu quero só querer e nunca precisar

Quero sua atenção já naquela cena inicial do filme, antes de entrar o nome e a música tema.
Te fazer sorrir e sentir uma quentura no rosto antes de ler meu nome quando seu celular apitar no meio da madrugada.
Sabe aquele livro que a gente já se apaixona na orelha? então quero você arrepiada antes de eu chegar nas suas orelhas, só com o ar das minhas palavras.
Te viciar na melodia da minha música antes que eu comece a te cantar.
Eu quero ser aquele cheiro de café que a gente experimenta antes do gosto.
Por fim, eu só quero ser o título desse texto de modo que te faça querer me ler.