quarta-feira, 12 de maio de 2010

Barco de papel.

Começa devagar, vem aos poucos, e depois de uma vez. É que eu tenho um barco de papel, que as pessoas chamam de coração, ele estava navegando lindamente. Foi perfeito.
O mundo é enorme e as pessoas esquecem de questionar sobre tamanha imensidão.Janelas blindadas. amores platônicos, janelas blindadas para amores platônicos.
A gente não precisa de mais tempo para trabalhar ou se divertir a gente precisa de um pouco de tempo para fazer nada mais do que respirar, nem pensar cabe nesse verbo de pequenas coisas.
Eu deixei que tudo mudasse. Deixei algumas pessoas entrar e pedi que outras saíssem. Meu barco continuou navegando e eu parei para respirar a vida. Para tragar coisas boas como quem fuma esquecendo que aquilo mata. Tragar a vida também mata. Não aos poucos, feito o cigarro. Eu num sei como, nem porque, eu sei que é bom.
Rostos, personalidades e outros barcos no oceano a gente conhece todos os dias.
Nem eu sei o que eu quero com isso. Eu nunca soube direito o queria da vida.

5 dizeres:

Raphael Trew disse...

Barco de papel não são feitos para navegar neste oceano, e sim para serem levados pelos vento.

sarah disse...

Entrar nesse barco e vagar por ai junto ao cheiro de maresia...

uma pena ser de papel, e ser desfeito rapidamente.

Rods disse...

O bom é que a celulose do barquinho não vai ser digerida se alguém ousar comê-lo.

Marcel Hartmann disse...

vou entrar no teu barco só pra afundá-lo

priscilla disse...

agora sei porque algumas pessoas nao se sentem muito bem quando estão num barco.É esse lance do coração e esse medo de naufragar.