sábado, 10 de abril de 2010

Mais ou menos isso, viu.

É um coisa, sabe assim?... algo que vem, que me tem. Eu num sei explicar eu não sei me explicar. Sou anti-social e sociável. È que não espere de mim o primeiro “oi” e muito menos o “tchau”. Mas aquele dia foi diferente, foi te olhar. Uma coisa, um jeito... Poucos foram os momentos tão perfeitos.
É que eu observo demais as pessoas, eu olho todo mundo e enxergo quem eu quero.
Tem aquele lance com a mão, aquele jeito de arrumar o cabelo para direita com a mão esquerda, que te deixa com o olhar lindo e um gesto desajeitado... Eu num quero parecer boba, mas falar disso... Não, eu num estou reclamando. Eu só quero dizer, sem me comprometer muito. Num preciso revelar seu sexo, seu nome,... Eu só preciso que eles entendam os seus trejeitos, o seu jeito de agir... Suas bochechas coram um pouco quando você me vê... Acontece de a gente ficar horas se olhando sem dizer nada só sentindo. Só se sentindo... Te olhar tem esse poder, isso de me fazer enxergar por dentro... É muito louco, sabe assim? Que eu até me enxergo quando te olho... É complicado, mas o meu único medo... Não, na verdade assim, num é um medo... Conseqüência... Resultado... Nosso ônus... Espera, preciso ir... Meu telefone está tocando eu tenho que despertar... Eu queria dizer que iríamos casar acreditando nisso... Aliais eu sei por que a gente se olha tanto tempo antes de abrir a boca, tem a ver com o lance da mentira... Ninguém quer se enganar, então prefere se calar... Ca(lei).

3 dizeres:

Marcel Hartmann disse...

Calar é lei quando se se infiltra nos modos da pessoa.


Que inovado esse texto.

Raphael Trew disse...

O silencio fala por nos e saber o que ele fala, trará verdades a nossa boca.

sarah disse...

Louco, Complicado...
mas são sentimentos que eu amo amar.

beijos flor !