quinta-feira, 3 de junho de 2010

"O mundo contra a minha dor, eu a favor do mundo."

Minha vida virou um filme um quadrado enquadrado cheio de planos, de detalhes, de planos detalhes e de planos em detalhes.

O amor é minha iluminação e vive assim apagando e acendendo a luz da minha cena, às vezes me deixa na escuridão sem ninguém conseguir me enxergar, às vezes me deixa na claridão, exposta, desnuda para todos verem meu interior.
Tem o monte de atriz ruim, de gente que estraga meu filme, tem os meus vilões bagunçando e arrumando meus ângulos. Tem o monte de garota e garoto tentando ser meus mocinhos. Eu deixo às vezes, mas eles acabam estragando tudo no final, e ai eu recomeço, porque eu quero um final feliz para mim.
Meu mundo cabe numa tela de um plano sequência. E vale lembrar que um plano sequência não cabe numa tela só. Eu sou roteirista, diretora, atriz principal, figurante,... eu sou tudo.Eu sou um filme.

Às vezes aperto o “Rec” e gravo os melhores momentos da minha vida.

O que muda meu enredo nessa rotina é a  fotografia que eu faço das estradas.

2 dizeres:

Rods disse...

Nós somos melhores que aqueles filmes underground que todo mundo diz que é bom, mas na verdade são uma porcaria. Espero que não venham falar que somos filmes alternativos geniais... aiai.

Raphael Trew disse...

Somos vilões de nosso próprio filme.
Se tido der errado, em nosso filme, não podemos colocar a culpa em mais ninguém.