quinta-feira, 11 de março de 2010

E no meu quarto se faz verbo de amor.

O amor tentou me abraçar e eu não deixei, ele quis. Ele sempre quis me abraçar. Eu resisti, eu desisti. Eu desisti de mim e resisti ao amor.Coloquei cacos de vidro no meu muro para o amor desistir.Bloqueei passagens e tranquei meu coração num vazio só meu. O meu maior amor foi para o vazio que sou. Ofereceu-me balas de hortelã e me olhou nos olhos, pediu passagem.

No dia em que Ele foi embora eu o vi murchar por mim, o amor em nome que estava nele foi esvaziando assim como uma bexiga que perde o ar e a beleza. Eu era a beleza nele e o deixei ficar feio sem mim. Porque o amor quis me abraçar e eu não deixei.

Eu senti sem compartilhar
Porque você sabe
que é de poesia meu jeito de viver.
Fiz. Poesias, sem mostrar
Por que escolhi não te ter?

A cada noite, eu, Ariana te preparava
em versos da noite
me fazendo da sua ausência.

5 dizeres:

Emerson disse...

Uau... Incréivel, sensacional.

Marcel Hartmann disse...

Adorei teu jogo de ideeeeeias!

tu é uma poesia inteira.

priscilla disse...

quando não queremos,o amor vem.
quando queremos,ele desiste da gente.

impressionante como ele raramente vem na hora certa,né?

Rods disse...

O amor move mais que montanhas. Já viu algum outro ser capaz de mover tragédias?

Luh disse...

"...Eu era a beleza nele e o deixei ficar feio sem mim. Porque o amor quis me abraçar e eu não deixei."
essa parte em especial me fez refletir...
vc tem mta vocação para a poesia.
Parabéns!