quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

19 anos e 10 meses

É tanto fôlego que cansa. Vem aquela vontade de bastar-se. E tudo o que se quer é parar com o café, é sorrir para a câmera, é dormir à noite(e a tarde toda), é não dançar em círculos, não esquecer de colocar os óculos, é fingir que não se finge, at all. E assistir ao próximo eterno mega sucesso esquecível de Spilberg. E o todas as risadas que as pessoas dão nos dramas de Almodóvar.
Todos os beijos que finalizam os filmes, ou as mortes e os céus ou as paisagens vazias.
É tanto cansaço que falta fôlego. Todo mundo sempre deitado e reclamando do calor. Música, sexo casual, e falta de amor. Amor.
Falta tanto humor na rotina, que as pessoas já me bastam.  O que eu quero é colocar mais açúcar no café e deixar minha boca mais doce para as pessoas me experimentarem. E filmar as pessoas sorrindo para mim, como se eu fosse uma Super 8, mas não as deixassem com vergonha das minhas lentes, dos meus olhos. Olhos.
Quero dormir em lugares diferentes enquanto o sol se despede, e quando o sol se apresenta. Dormir com a janela aberta para deixar o vento novo, refrescar as coisas novas.Dormir ao lado de pessoas estranhas num banco de metrô qualquer.
 E parar de dançar sempre a mesma música, com os meus pares que gostam das mesmas (tristes) melodias. Mel(O)Dias.
E Spilberg, Almodóvar, Tarantino, Meireles, Padilha, 
Nichols, .... e todos os meus colegas de classe.
02/01/2011

2 dizeres:

Raphael Trew disse...

As Vezes falta fôlego para viver !!

Rodolfo Licks disse...

Ana, tem dias que você é um gênio. Adoro isso.