terça-feira, 19 de janeiro de 2010

Porta e o vão.

A primeira vista é tudo muito confuso, esse armário de roupas velhas misturadas com novas, essa bagunça que a gente fez no nosso cantinho.Há um tempo você se propôs a nos arrumar e eu recusei.Eu te recusei.

Depois da confusão vem o reconhecimento e eu tenho preguiça de separar,de arrumar as roupas que eu usei quando estava com você, todas as camisetas, aquela sua blusa vermelha está no meu armário.E eu crio repulsa por saber que vai inalar aquele seu cheiro de cigarro que eu gostava.Eu “ te” gosto.
Aquela Hering branca ainda tem a mancha de café que você derrubou e os meus tênis sua assinatura de caneta bic.Eu te guardo.
Meu violão está no fundo da bagunça atrás do caderno de musica, é que eu não suporto olhar para ele e me lembrar de você tocando na rede, cantando lindamente, me encantando a cada acorde. Eu te sinto.
E os meus óculos estão em cima, perto do porta-retrato com a nossa foto, não consigo mais usa-los, já que era você quem os limpava para mim.Eu te repulso.
E vai ser sempre assim, eu vou enquadrar você na minha bagunça e te culpar pelas minhas derrotas pessoais, vou te culpar nas horas tristes, eu te quero pela metade e na verdade. Eu não te quero.
E esse seu silêncio hoje me corrói. Mas só hoje.



2 dizeres:

Marcel Hartmann disse...

E tu me atrai.

primaverasdesetembro disse...

eu senti tanta mais tanta coisinha parecida, parece que tudo é eterno, mas nada, nadiinha fica..moça linda.ESSE TEXTO É LIIIINDOO!

[nuussa..ai ai/suspiro/Gostei.]

Flores.