domingo, 3 de janeiro de 2010

Honestidade

As pessoas estão a todo o momento querendo me classificar. Inúteis. Não me apego mais aos gêneros. A vida é curta demais para eu ler todo o grosso dicionário, que sofre mudanças a cada cinco anos. Não é nessa leitura que eu vou achar a palavra salvadora do meu sofrimento constante. Este sofrimento delicioso que é viver. Entender é limitado a condições, a regras, a egos.Superioridade. Quando cresci intelectualmente, acreditei por vezes que as coisas deveriam fazer sentido, mas isso é uma limitação, uma corrente para as pessoas que vivem apenas das coisas que tem um possível sentido. Eu não! Eu quero uma verdade inventada, uma mentira sincera. Porque no fundo eu quero quebrar minhas limitações, me mostrar ao mundo e desabrochar de um modo ou de outro.Quero minha alma livre de julgamentos racionais, já que para racionalidade a alma nem existe.
*
É, é bem melhor assim que todos pensem que eu sou totalmente o contrário do meu eu,quando eu manter esse equilíbrio estático e intacto, sentirei. Assistirei meu fim e descobrirei se realmente o presente existe.



E no fim das contas sou só uma imbecil.

3 dizeres:

Marcel Hartmann disse...

Mas se todos os imbecis fossem que nem tu eu ia ficar muito feliz.

primaverasdesetembro disse...

classificas, arrumar tags é normal.Coisa de sobrevivência..e é normal qundo tu és classificada e saber qe tbm classifica os outros.

Flores.

Rods disse...

Rótulos são esseciais para minha sobrevivência. Um dia antes de alguém expirar o prazo de validade, jogo fora.