quarta-feira, 28 de agosto de 2019

Não tem mais timeline

Se eu fosse te dar parabéns hoje, eu podia dizer muita coisa, sobre seu jeito sobre seu olhar sem teto, seu sorriso aberto e até sua cara de sono. É que eu tenho tudo isso na minha memória. 
Mas eu não vou porque a gente não tem mais timeline pra se compartilhar e faz mais de ano que eu não te abraço. 
A gente se desencaixou para encaixar em outras coisas e eu só quero felicidade, quero sensação de mar e céu  sem palavras pra nós. 
Que quando é sobre felicidade eu ainda consigo colocar a gente na mesma frase. 
Cresce dai que eu cresço daqui, mulher. 
Acho que o mundo precisa da gente. E a gente dele, horizontal. 

quinta-feira, 15 de agosto de 2019

Agosto 2019

A gente envelheceu e quando se fala isso parece algo ruim, mas não é nesse sentido, é no sentido de crescer mudar o corpo os gestos os gostos e mesmo assim permanecer o que se é. 

Teve nossa conversa que ficou em mim, nossa afinidade que sempre foi gostosa, antes da gente começar a se machucar, a se pendurar em coisas ruins, pesadas e quase sem amor. 

Ficou isso, mas em mim você ainda dói nas beiradas, nas minhas bordas onde você não tá mais. Na minha, agora menor, culpa de ter feito você ir. 

E aí eu me agarro onde dá que são todas as coisas que eu vivi depois de você e que eu só vivi porque vivemos antes. 

Os 5 sentidos. Sentir-me toda, entregue às experiências e expulsar a saudade com alguma viagem. 

Dá certo, porque deu, né? 

Amei certo do pés ao coração. 

sexta-feira, 9 de agosto de 2019

Eu to aqui no meu quarto quase vazio, foram 28 anos...
Tanta coisa, já foi meu e dos meus irmãos e agora não tem dono. 
Já amei mulheres aqui, já abriguei todas elas nas minhas gavetas 
Amanhã o moço vem levar o que resta de material o resto e fica. Fica tanta coisa, tanta vivência. 
Nem sei por onde começar a ir mas ir também é ficar. 
Nostalgia deve ser pra sempre. 
Tudo que eu passei aqui é pra sempre, dos inúmeros gozos, gargalhadas e choros. 
Foi aqui que eu descobri meu corpo, meu sol e meu coração solar, mas tá na hora de levar ele pro mundo. 
É que quando a gente se descobre a gente quer se mostrar. Porque é só no mundo que a gente continua a se descobrir e crescer. 

quarta-feira, 24 de julho de 2019

Os 28 anos

Eu achava que eu sabia falar de amor, e se você ler tudo isso aqui, vai achar que eu acho que eu sei, mas eu não sei. 
Se passou tanto tempo e eu ainda amo o mesmo sorrisão. 
Hoje pego as chaves do MEU apartamento e eu tinha que registrar nesse meu diário que não é sobre os dias de vida. 
Esse ano tem sido um turbilhão de vida adulta. 
Eu recebi uma proposta de emprego e eu nem tava procurando. 
Assinaram minha carteira e me quiseram muito na empresa. 
Eu conheci lugares de outro continente. 
E agora eu tenho a minha casa. 
Que não é minha, mas eu pago cada aluguel de dia que eu piso ali naquele quadrado maior que meu quarto. 
Caramba, vida, até que c tá sendo legal comigo e eu mereço eu sei que mereço. 
E eu amadureço cada segundo o quanto posso e tenho amor por mim e pelos outros o tempão todo, mas já não sei mais falar sobre amor. 

segunda-feira, 22 de abril de 2019

comprei minhas passagens, eu vou nadar no mar mediterrâneo


terça-feira, 16 de abril de 2019

Torradeira

Essa semana a sanduicheira quebrou 
E semana passada quem se quebrou 
Foi a torradeira 
O desgaste das coisas que eram nossas 
Que faziam o nosso café da manhã enquanto a gente se agradecia, falava sobre alguma série,
eu encarava seu corpo sem camisa e sentia meus mamilos endurecerem 
Seu relógio de parede, será que quebrou? 
Ele ficou parado naquele dia que o silêncio já não nos era leveza 
Acho que nossos ponteiros ficaram pesados demais 
E uma parte de mim parou ali, nos mamilos e se quebrou como as torradeiras

sexta-feira, 29 de março de 2019

a rotina come os dias e as faltas que a gente se faz
te lembro no meu café da manhã
mas não tomo mais café nem como tapioca
eu aprendo todos os dias a viver com a
falta

tem horas que eu esqueço de lembrar
e tem horas que lembro de esquecer