quarta-feira, 7 de março de 2012

Relatos de uma quarta-feira que carregou metade da semana.

Confusão não é. Mas eu preciso me permitir diminuir o ritmo e o barulho. Preciso parar de questionar tudo com um tom te arrogância e esperar respostas compreensivas. Deixar minha vida pisar na grama e molhar os pés no mar, sentindo o gelo perigoso das  águas do oceano.
E depois esse sentimento de perda me persegue. Bate sempre na minha porta, bagunça tudo e vai embora como se fosse fácil - não é - ninguém sabe.
Minha utopia é acreditar que o mundo é meu. Essa mundo não. Nunca foi.  Dói, amor dói.Tudo que dói, foi. E tudo que dói foi bom em alguma hora, se fosse indiferente não doeria.
Preciso parar de pensar que esse mundo todo pensa como eu. E que eu sou amada pelo mesmos motivos que amo.


1 dizeres:

Rodolfo Licks disse...

Ana, se eu te conhecesse pessoalmente eu te daria um abraço muito apertado. Cuidado.