terça-feira, 2 de novembro de 2010

Tentei, gente.

Fiz um aborto. Não de um bebê. Mas um aborto da gente.Faz tempo que tinha esse pedaço de você em mim, que precisava sair.
Só agora vi o quanto esse anzol que você usou para me levar, me machucou.
Toda essa poligamia que eu chamo de amor me persegue, e já me disseram que os maiores fantasmas são as pessoas que estão vivas.Quer coisa mais real que um fantasma?
Tá vendo, não tem conectividade nos meus parágrafos, dividi toda a minha vida em frações, em pedaços separados por coisas que me dão prazer e por coisas que não me dão prazer.
Acho difícil cumprir uma promessa. E prometer é tão fácil que a gente sai por ai mentindo promessas e criando expectativas.
Tô escrevendo mal, tá difícil.

1 dizeres:

Rodolfo Licks disse...

Será que dá pra morar embaixo do MASP? Tipo mendigo.